domingo, 22 de março de 2009

Resumo do Grupo

O Livro O Ateneu é como se fosse o diário de um adolescente, onde estão narradas todas as experiências vividas por Sérgio (o narrador) na época de eu internato.
Sérgio ingressou ao renomeado colégio interno masculino Ateneu aos 11 anos. Lá, vivenciou um ambiente hostil, carregado de corrupção e intrigas. Os meninos mais “fracos” eram atemorizados e assediados pelos mais “fortes”. O diretor, Aristarco, era um homem rude e arrogante, que adorava humilhar os alunos.
No colégio, Sérgio conheceu Rebelo, que o aconselhou sobre a vida no internato. Também conheceu Sanches, que o salvou de um suposto afogamento, e que muito o ajudou; mas fora obrigado a se afastar pela pressão sexual que ele o impôs.
Após isso, passou por um período místico e religioso.

Ficou amigo de Franco – um garoto rude e agressivo, frequentemente humilhado – com o qual topou fazer uma brincadeira, que consistia em jogar cacos de vidro na piscina para os outros garotos se cortarem. Arrependeu-se depois, e para sua sorte, o plano não se concretizou, pois houve a limpeza da piscina.

Com o tempo e a discreta influência de seu pai, as coisas melhoraram para Sérgio.
Fundou-se o Grêmio Literário Amor ao Saber, onde Sérgio ajudava um pouco e, assim, passava bastante tempo na biblioteca. Conheceu Bento Alves, o bibliotecário, pelo qual nutriu grande amizade e estima. Os outros garotos, percebendo essa aproximação, tramaram contra eles, fazendo Bento brigar com Malheiro e ir preso.
Termina o ano. Quando chega o ano seguinte, Bento está muito mudado. Não pode ver Sérgio que o agride, e isso faz Bento sair da escola.

Após esse fato, o diretor descobre, através de uma carta, que há no colégio um romance entre os alunos, humilhando perante todos o “casal” e seus cúmplices.

Sérgio conhece Egbert, um jovem inglês. Tornam-se muito amigos e Egbert o ajuda nas notas. Com o aparente desempenho escolar de ambos, são convidados para um jantar na casa do diretor, onde Sérgio se encanta por D. Ema, a esposa do diretor Aristarco.
A amizade entre Sérgio e Egbert esfria, e os dois se afastam ainda mais quando Sérgio passa para o dormitório dos mais velhos. Nessa fase mais adulta Sérgio tem outros interesses e outras experiências como fugas à noite, o conhecimento de uma passagem secreta para o jardim, entre outras coisas.
Franco, seu amigo do passado, morre por estar muito doente.

Sérgio pega sarampo e fica na enfermaria da escola durante o período de férias, sob os cuidados de D. Ema. Nesse período tem muitos conflitos internos: um misto de sentimento de amor e doçura com um certo erotismo.

O livro termina com o incêndio do colégio, que se acredita ter sido causado por um aluno, Américo – um garoto revoltado, que não aceitou ter sido obrigado pelo pai a ficar no internato. Ema foge. Aristarco presencia arrasado a perda de seu patrimônio.

28 comentários:

  1. Sérgio foi para o colegio interno por vontade propria ou por pressão dos pais? Durante toda a trama Sérgio oscila entre momentos de mocinho e de bandido. Você acha que essa oscilação enriqueceu a trama?
    No final da história, Sérgio morre?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não, só acaba com a destruição do ateneu

      Excluir
  2. Foi pela vontade dos pais, já que era uma instituição renomeada, onde normalmente estudava a elite social. Achamos que a oscilação mencionada enriqueceu a trama sim, não caindo em monotonia. Sérgio não morre no fim da história, ele apenas assiste ao incêndio.

    ResponderExcluir
  3. Sérgio tinha 11 anos quando ingressou no colégio interno,na sua opinião,se hoje tivessemos que estudar em colégio interno o que vocês achariam?E as pessoas seriam melhor se estudassem em um?

    ResponderExcluir
  4. O que aconteceu com Sérgio durante o período mística e religioso?

    ResponderExcluir
  5. Quem era Malheiro? Que papel ele exercia na obra?

    ResponderExcluir
  6. Qual a relação de Sergio com o título da obra?

    ResponderExcluir
  7. O Ateneu tem um certo confronto entre a realidade e a ficção, qual seria?
    Quando Américo põem fogo no Ateneu, o que ele quis simbolizar com isso?
    Qual seria o tema principal dessa obra?

    ResponderExcluir
  8. Resposta p/ Memórias de Um Sargento de Milicias:

    Dependendo do regime escolar achariamos legal. Se as pessoas seriam melhor, achamos que seria normal.

    ResponderExcluir
  9. Resposta p/ Izadora, Kelly e Flavielen:

    Malheiro é um aluno da escola, que brigou com Bento Alves com o objetivo de "sujar seu nome" com a direção da escola. Exerceu somente o papel da briga com Bento Alves.

    ResponderExcluir
  10. Resposta p/ Izadora, Kelly e Flavielen.

    Sergio entrou em um periodo mistico e religioso durante uma fase de desânimo, onde até ajudou seu amigo Franco "vingar-se" de pessoas que maltratavam eles.
    _____________________________________________

    No fim do Livro Sergio apenas presenciou o colégio pegando fogo.

    ResponderExcluir
  11. Atentar para os problemas de lingua portuguesa, especialmente para ortografia.

    ResponderExcluir
  12. A segunda pergunta do grupo da Daniele Deprá, Felipe e Jéssica é muito subjetiva, mas, ao mesmo tempo, se pensarmos do ponto de vista da trama, fica evidente que são as oscilações de comportamento de Sergio que compõem o ponto culminante, mais importante da narrativa.

    ResponderExcluir
  13. A questão levantada pelo grupo do Sargento de milícias não está vinculado ao texto e, portanto, não tem valor!

    ResponderExcluir
  14. Cadê as respostas para os questionamentos do grupo da Daniele Dotto, do João e do Roger?

    ResponderExcluir
  15. Resposta para Senhora Aurélia Camargo a Rica:

    Apenas porque ele foi aluno da escola chamada "O Ateneu".

    ResponderExcluir
  16. Porque Rebelo deu a Sérgio inúmeras recomendações quando ele entrou no Ateneu?

    A amizade entre Sérgio e Bento Alves era verdadeira?

    Porque supostamente Sanches teria provocado o afogamento de Sérgio?

    ResponderExcluir
  17. Respondendo Daniele Dotto, João e Roger:

    1) De certa forma sim. O livro foi escrito com base nas memórias do autor, que entrou em um colégio interno aos 11 anos. Os personagens são fictícios mas lembram uma pessoa real a Raul Pompéia. Sérgio é Raul Pompéia, Aristarco é Abílio César Borges, o Ateneu é o colégio Abílio. Aobra apresenta duas intepretações: uma individualista, onde Sérgio(Raul Pompéia) vive em um cruel colégio interno; outra político-social, onde o Ateneu é a representação da sociedade corrompida.

    2) Simplismente Américo colocou fogo na escola propositalmete por estar revoltado, Porque foi colocado à força pelo seu pai no internato.

    3) A obra é memorialista, narrada por Sérgio como se fosse um diário no qual o tema principal seria a sua adolecencia vivida dentro da escola em que estudou.

    ResponderExcluir
  18. Respondendo Daniele Deprá, Felipe e Jéssica:

    Não, Sérgio só fantasiou com D.Ema, não tiveram um caso.

    ResponderExcluir
  19. Respostas para Luzia Homem:

    1. Rebelo é visto como o conselheiro por já ser veterano na escola e ter mais experiências, e por isso passa a dar "conselhos" para Sérgio.

    2. No ínicio até poderia dizer que a amizade entre eles era verdadeira, mas logo degenerou-se por força das más intenções de Bento Alves.

    3. Sérgio SUSPEITOU de que o afogamento teria sido provocado pelo próprio Sanches, para que em forma de gratidão avia-se uma aproximação entre eles, mas já com más intenções de Sanches que foram negadas por Sérgio e acabaram inimigos.

    ResponderExcluir
  20. -Qual foi a pressão sexual que Sanches impôs a Sérgio?E por qual motivo?

    ResponderExcluir
  21. Serjo nao chega a se relacionar com D.Ema?

    ResponderExcluir
  22. Eu li o livro e realmente esta bem explicadinho minha revolta foi nao estar claro no livro se ele(Sergio) morreu ou nao... E ele era Homosexual ou somente era amigo dos meninos que teve uma relaçao...

    ResponderExcluir